Pesquisa Fiocruz: 50% dos pacientes apresentam sintomas de covid longa

Metade das pessoas diagnosticadas com covid-19 apresenta sequelas que podem perdurar por mais de um ano. Um estudo da Fiocruz Minas acompanhou, por 14 meses, 646 pacientes e verificou que mais de 50% deles tiveram sintomas pós-infecção, caracterizando o que a Organização Mundial de Saúde classifica como covid longa.

Ao todo, a pesquisa contabilizou 23 sintomas, após o término da infecção aguda. Fadiga, que é um cansaço extremo que dificulta as atividades rotineiras, é a principal queixa entre os pacientes. Também estão entre as sequelas mais citadas: tosse persistente, dificuldade para respirar, perda do olfato ou paladar e dores de cabeça frequentes.

Além disso, chamaram a atenção dos pesquisadores os transtornos mentais, como insônia, ansiedade e tontura. E entre os relatos há ainda sequelas mais graves, como a trombose, diagnosticada em 20 pacientes. Outra surpresa para os pesquisadores é que os resultados mostraram ainda que os sintomas pós-infecção se manifestam nas três formas da doença: grave, moderada e leve.

Rafaella Fortini, pesquisadora da Fiocruz Minas, que coordena o estudo, reforça que ainda há muito a se esclarecer sobre a covid longa e que é preciso dar a devida importância à doença.

A presença de sete comorbidades, entre elas, hipertensão crônica, diabetes, cardiopatias, câncer, doença renal crônica, tabagismo ou alcoolismo levou à infecção aguda mais grave e aumentou a chance de ocorrência de sequelas, de acordo com o estudo da Fiocruz Minas.

Os pesquisadores também ressaltaram a importância das pessoas buscarem os serviços de saúde para o tratamento da covid longa.
Saúde Rio de Janeiro 11/05/2022 – 20:32 Bianca Paiva / Beatriz Arcoverde Fabiana Sampaio – Repórter da Rádio Nacional covid longa quarta-feira, 11 Maio, 2022 – 20:32 2:17
Fonte: AGÊNCIA BRASIL – EBC

Aqui você pode expressar sua opinião livremente.

%d blogueiros gostam disto: